Retrospetiva: Paper Mario (N64)



Mario é uma das personagens mais icónicas dos videojogos. Com a sua enorme popularidade e apelo, é fácil entender que a Nintendo tenha colocado os rostos familiares do universo Mario a encabeçar experiências dos mais diversos géneros, desde os jogos de corridas Mario Kart até vários títulos de desporto, incluindo Mario Tennis e Mario Golf.

Mas se há uma “sub-série” Mario pela qual tenho um carinho especial, é Paper Mario – uma série de RPGs que protagoniza o nosso canalizador favorito em aventuras com um tom mais épico, esboçadas num estilo de papel característico. Com o lançamento de Paper Mario: The Origami King, nós pensamos que não haveria melhor altura para mergulhar um pouco na história desta série, e por isso iremos publicar vários artigos sobre a mesma espalhados ao longo desta semana – a nossa Semana de Paper Mario!


E por onde melhor para começar do que pelo princípio? Paper Mario, o primeiro jogo da franquia, foi lançado na Nintendo 64 em 2001 (na Europa). Inicialmente, este projeto desenvolvido pela Intelligent Systems era planeado como uma sequela a Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars para a Nintendo 64DD. No entanto, com o avanço do desenvolvimento, este novo jogo distanciou-se do clássico da SNES e tornou-se num recomeço para os RPGs Mario. Enquanto que no Japão o jogo foi intitulado Mario Story, no resto do mundo foi denominado Paper Mario, devido à sua apresentação única – uma escolha que viria a modelar o design dos títulos futuros da série.

Ecrã de título de Super Mario RPG 2, mostrado no seu trailer de revelação da Nintendo Space World '97
Mas o estilo gráfico do jogo que define Paper Mario não caiu do céu, longe disso! Após ter sido incumbida de criar um novo Mario RPG, a equipa da Intelligent Systems ficou a cogitar: que estilo de arte seria digno se estar lado a lado com Super Mario 64? Para tentar levar o barco a bom porto, o staff dividiu-se em equipas, para tentarem fazer em paralelo 3 modelos diferentes.

Foi um esboço de Naohiko Aoyama, que era então um novato na companhia, que desencalhou o assunto. Enquanto muitos desenvolvedores da época procuravam usar as capacidades das consolas da época para exibir gráficos 3D realistas, Aoyama considerou que seria refrescante utilizar as capacidades 3D da Nintendo 64 para enfatizar uma apresentação 2D. Como tal, realizou a imagem base que podem ver abaixo, em que recorre a polígonos 3D para destacar personagens e gráficos planos. Ficou decidido, numa reunião de planeamento posterior, que este seria o estilo artístico a utilizar, e Aoyama foi nomeado diretor de arte do jogo.

Imagem base criada por Naohiko Aoyama
Quando este clássico chegou às lojas, foi unanimemente aplaudido pela crítica, com várias publicações a considerá-lo “o melhor RPG para a Nintendo 64”. E, agora que o revisito, quase 20 anos mais tarde, posso dizer que continuo a apreciar o jogo, que se mantém uma experiência sólida para os fãs do Mario e do género.

Não há dúvidas de que a direção visual de Paper Mario é um dos fatores pelos quais o jogo envelheceu tão bem. Seria injusto comparar o jogo às suas sequelas em consolas bem mais poderosas, mas pelos seus próprios méritos o Mushroom Kingdom apresentado como um livro pop-up mantém o seu fascínio. Não só o estilo artístico enche os olhos, mas também nos mostra o universo Mario de uma forma como nunca tínhamos visto antes.

Ecrã de título final de Paper Mario
A história de Paper Mario é relativamente simples: Bowser, querendo derrotar o Mario de uma vez por todas, invade o Star Haven. Lá, ele rouba a Star Rod, uma varinha capaz de conceder todo e qualquer desejo, e captura os 7 Star Spirits que protegiam este artefacto. Com esta varinha, Bowser torna-se invencível, facilmente derrota o Mario e eleva o Castelo da Peach aos céus, aprisionando todos os que nele se encontravam (incluindo a Princess Peach, que é na verdade a única coisa que interessa ao vilão). Para que o herói consiga deter o agora todo-poderoso antagonista, terá de conseguir encontrar os sete Star Spirits, que estão protegidos por servos do Bowser em diferentes regiões do reino.

Se encararmos esta narrativa de uma forma simplista, vemos que ela segue uma estrutura muito familiar: Bowser rapta a princesa, e precisamos de atravessar 8 regiões para alcançar o Rei Koopa. Soa preguiçoso? Poderia ser, mas Paper Mario adorna e adensa esta narrativa ao conceder diálogos ricos quer às personagens chave da franquia quer a encantadoras personagens inéditas, dando assim um tom mais épico a este conflito clássico e acrescentando uma pitada muito bem-vinda de humor.

Kammy Koopa a posicionar estrategicamente um cogumelo para impedir o progresso do Mario
Para além dos diálogos e personagens, também o mundo de Paper Mario se apresenta memorável por si só. Cada capítulo do jogo introduz-nos a uma nova região e comunidade, cada qual com novos enigmas e contratempos para Mario resolver e vários NPCs com quem conversar. Ao contrário do que se poderia esperar de um RPG com esta idade, o mundo de jogo não é estático; graças ao uso inteligente das ferramentas concedidas ao canalizador, a travessia pelos cenários é uma missão tão interessante como os combates em si. A cereja no topo do bolo é os “postos” dos servos do Bowser: estes constituem pequenas dungeons nas quais usamos as habilidades do nosso herói para resolver vários puzzles e alcançar os Star Spirits aprisionados. Estas são algumas das localizações mais memoráveis do universo Mario, incluindo cenários tão diversos como uma caixa de brinquedos e um palácio de cristal!

Como não podia deixar de ser, todas estas regiões estão infestadas pelos lacaios do Bowser, que temos de enfrentar em batalhas por turnos. E que sistema de combate que este jogo tem! São muitas as peças que o tornam rico e complexo,  mas ao mesmo tempo intuitivo e recompensante.

Em primeiro lugar, os action commands, minijogos de timing associados aos ataques, regressam de Super Mario RPG, e conferem um maior dinamismo às lutas. Não só temos de ter em atenção os típicos stats, mas também ganhar maestria no timing dos ataques, para conseguirmos provocar o maior dano possível aos inimigos. Pela mesma moeda, também podemos bloquear as investidas adversárias, pelo que também quereremos aprender os padrões de ataque adversários.

Por este motivo, a introdução de novos inimigos por si só já é suficiente para impedir que as batalhas se tornem repetitivas ou monótonas. E variedade de inimigos é o que não falta! Para além de um novo padrão de ataques, cada inimigo pode apresentar características como asas, carapaças e espinhos, que intuitivamente nos informam sobre quais abordagens serão ou não eficazes contra eles.

Ecrã de combate de Paper Mario
Isto porque, para além do Salto e do Martelo do Mario, vamos ao longo da história recrutando vários parceiros que dão uma camada de densidade à jogabilidade. Cada um destes possui um conjunto de ações próprias em batalhas, algo que combinado com os variados inimigos faz com que não haja uma escolha certa para todas as batalhas. Como se não bastasse, estes parceiros também possuem habilidades fora do combate que nos permitem interagir com o cenário, pelo que cada novo membro na equipa funciona como uma chave para novas áreas do mapa e enriquece a sua exploração!

Lamentavelmente, o seu papel na narrativa é praticamente nulo. A introdução destas personagens é breve, e após se juntarem ao Mario são colocados de lado da história quase imediatamente. A partir desse momento, a sua presença resume-se aos seus usos práticos e à leitura de cartas que os seus familiares lhes enviam. Pelo menos a sua caracterização inicial é suficiente para estabelecer as suas personalidades e motivações. 

Uso de Sushie, um parceiro Cheep Cheep, para atravessar cursos de água
Um toque especial que gostava de ver replicado noutros RPGs é o sistema de vida do jogo. Enquanto a grande parte dos jogos do género aumenta, a cada nível, os stats das personagens de um modo arbitrário e pouco intuitivo, Paper Mario mantém ao longo da aventura valores de ataque e vida baixos para o Mario e seus inimigos. Isto não só torna mais fácil avaliar mais criticamente os adversários, mas também aumenta o nosso prazer quando finalmente conseguimos melhorias de ataque, bem como o nosso assombro quando descobrimos um inimigo mais poderoso.

Por fim, existe também um sistema de badges – itens equipáveis com efeitos variados no combate e na exploração, utilizados em slots limitados. A sua inclusão adiciona uma componente de customização versátil, que permite ao jogador privilegiar certos atributos e formas de combate, e aumenta o valor de rejogabilidade de Paper Mario e a variabilidade das experiências dos jogadores, que poderão optar por estratégias mais defensivas ou mais arriscadas.

É até surpreendente o quanto o jogo se mantém ao mesmo tempo acessível e mecanicamente sólido, especialmente depois de tanto tempo! Contudo, se tivesse de indicar uma área na qual o jogo envelheceu pior, certamente apontaria o dedo aos colecionáveis. Apesar de muitos estarem engenhosamente escondidos em locais que os mais curiosos descobrirão se mantiverem os olhos bem abertos, uma porção demasiado significativa está oculta em locais que não são distintos dos demais. É possível adquirir pistas que indicam a localização destes itens, mas isso só torna algo que podia ser uma recompensa pela exploração numa mera lista de tarefas. Mas isto é apenas um pequeno pormenor relacionado com uma componente totalmente opcional do jogo.

Uma invejável recompensa que obtemos por realizar favores a Koopa Koot
Tudo o que vimos torna Paper Mario numa experiência coesa e cativante do início ao fim, mesmo sob o prisma dos jogos atuais. É por isso uma pena que, atualmente, apenas se possa experienciar esta aventura adquirindo a versão digital na eShop da Wii U ou hipotecando a casa para comprar uma cópia usada para a Nintendo 64. Mas para aqueles que conseguirem deitar as mãos neste jogo, não existem dúvidas: Paper Mario resiste imperiosamente ao teste do tempo como um magnífico RPG que os fãs do famoso canalizador devem experimentar - quer miúdos quer graúdos, quer casuais quer veteranos.

Publicidade de 2001 de Paper Mario
Fontes:
Retrospetiva: Paper Mario (N64) Retrospetiva: Paper Mario (N64) Reviewed by Tiago Sá on julho 20, 2020 Rating: 5

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.