Color Splash - A mesma tela, um pouco mais de cor


Já tinham passado 4 anos desde o lançamento de Sticker Star. O futuro da série era recheado de incertezas, mas uma coisa era incontestável: ninguém queria que fossem replicados os erros do título da 3DS. Nenhuma das escolhas tomadas nesta experiência mediana resultou em avanços positivos para a série Paper Mario, pelo que a comunidade ansiava pela chegada de um novo título que honrasse o legado da franquia e regressasse às suas raízes.

A ansiedade dos fãs aumentou quando, em março de 2016, uma Direct chegou para mostrar que um relâmpago pode sim cair duas vezes no mesmo lugar. Do nada, Paper Mario: Color Splash foi anunciado para a Wii U. Esta nova iteração tinha um foco no uso de tinta para recolorir a Prism Island e, embora eu estivesse esperançoso, o trailer de revelação indiciava que estávamos perante uma sequência direta a Sticker Star: à exceção de Huey, não existia nenhuma personagem original nas cenas mostradas, e os combates usavam seguiam um estilo semelhante ao de Sticker Star, mas usando cartas no lugar de autocolantes.

Não teríamos de esperar muito para poder julgar Color Splash por nós próprios, já que o jogo chegou às lojas uns meros 7 meses depois. Lembro-me de estar extremamente cético e receoso quando coloquei o disco na minha Wii U, mas com uma mente aberta. Afinal de contas, o que eu mais queria era gostar dele! …Mas e se estivéssemos perante outro Sticker Star?


Para minha surpresa, Color Splash apresentou-se não só como uma marcada evolução de Sticker Star, mas também uma divertidíssima experiência por seu direito. Como assim? Os blocos de construção que, aparentemente, justificavam o descalabro que foi Sticker Star estão lá: o sistema de combate, as personagens genéricas, a história simples. Contudo, este título coloca em cima da mesa algo que o jogo anterior não tinha: personalidade.

Enquanto Sticker Star era quase inteiramente um mar de regiões genéricas, Color Splash apresenta uma vastidão de locais únicos e memoráveis, como uma mansão assombrada presa num loop temporal de 3 horas, um restaurante no qual ajudamos na confeção de vários pratos e uma oficina a cargo da reparação de um comboio. Não só é impressionante a variedade de locais que atravessamos, mas também o ritmo rápido ao qual o jogo nos transporta de lugar para lugar, sem nunca deixar que nos cansemos de algum deles.

Não só estes locais são conceptualmente ingeniosos, mas também são visualmente soberbos. Sticker Star já se tinha empreendido a criar um mundo de papel, mas Color Splash leva esta iniciativa a todo um outro nível. Cada pedacinho de Prism Island é composto de construções com papel e cartão, pintadas com cores vivas, que incluem a textura dos seus materiais e pequenas imperfeições como cantos a descolar e superfícies que não estão perfeitamente lisas. O produto final desta direção artística é um rico mundo de encher os olhos, que quase parece tangível e possível de construir (com muita dedicação), e que por si só funciona como um incentivo ao nosso avanço.


Apesar de a história ser simples e as personagens continuarem a ser genéricas, este título parece bem mais ciente destes factos e tira o melhor partido daquilo que ainda se pode considerar um defeito do jogo. Cada NPC no mundo tem algo interessante para dizer, quase sempre na forma de comentários humorísticos. Talvez isto fosse menos positivo noutras circunstâncias, mas a verdade é que o humor de Color Splash é possivelmente o melhor que encontrei em qualquer jogo Mario, estando recheado de puns com papel, referências pop-culture, piadas que aproveitam as escolhas de design do jogo (por exemplo, algumas à custa dos Toads serem indistinguíveis) e tudo o mais que se possa imaginar! Esta excelente vertente humorística foi suficiente para me fazer interagir com todas as personagens com quem me deparava no meu caminho, e mesmo que alguma piada não fosse tão bem conseguida, pouco tardava até chegar uma capaz de me arrancar um sorriso!


Apenas isto não bastaria, claro. Este jogo inclui uma série de pequenas melhorias, como a inclusão de uma espécie de sistema de experiência na forma de hammer scraps e um battle spin, que dão propósito ao combate e tornam mais fácil o nosso investimento nesta componente da experiência.

Mesmo com todas estas modificações, Color Splash tem demasiadas falhas para poder ser considerado um jogo de excelência. Algumas são importadas de Sticker Star, como a baixíssima dificuldade e a história principal nula, enquanto outras novas são introduzidas neste jogo, tais como a ocultação dos pontos de vida dos adversários, lentidão na seleção dos ataques a usar e os bosses.


Ontem, no nosso artigo dedicado a Sticker Star, mostrei o meu desagrado em relação à necessidade de adivinhar quais os Thing stickers necessários para abordar um boss. Mas a solução de Color Splash para lidar com este problema é para mim pior. Estas batalhas continuam a exigir uma Thing específica, mas em vez de esta funcionar como uma indispensável ajuda para nos dar vantagem em relação ao inimigo, desta vez elas funcionam como um desbloqueio de uma situação de invencibilidade do boss, que fica em seguida tão débil como um castelo de cartas. Desta vez podemos saber qual a Thing que precisamos de usar inquirindo um Toad específico, mas esta dinâmica juntamente com o facto de que todos os bosses são Koopalings resulta em confrontos totalmente previsíveis e insípidos: quando nos preparamos para um boss, já sabemos que ele será um Koopaling, que poucas rondas após o começo iremos usar uma Thing Card e que depois iremos rapidamente descartar o agora inócuo adversário.  É uma pena que tenhamos os bosses mais previsíveis num jogo que brilha pelo inesperado.


Mas para variar, desta vez sou capaz de sugerir formas de melhorar o jogo, em vez de simplesmente querer a expurgação do título como queria quando terminei Sticker Star. Por exemplo, o sistema de combate, mesmo simples, poderia ser amplamente melhorado apenas com ajustes na quantidade e tipologia das recompensas que o jogador recebe com a exploração e combates. Acredito que bastaria uma diminuição da quantidade de dinheiro e cartas facultadas ao jogador e da proporção de cartas pré-pintadas existentes para, de uma só vez, inserir mais estratégia nos combates e dar mais valor às melhorias de capacidade de tinta que obtemos ao colecionar hammer scraps.

De qualquer modo, estou certo de que muitos puristas do estilo clássico de Paper Mario não terão interesse em Color Splash, por este continuar a ignorar os elementos mais fortes dos jogos originais. Este título não é comparável a Paper Mario 64 ou The Thousand-Year Door, mas em parte é porque Color Splash não o tenta ser. Eu próprio gostaria de, mais tarde ou mais cedo, ver um jogo da franquia com moldes mais tradicionais, mas não considero que a direção diferente de Color Splash deva ser motivo para os fãs de coibirem de dar uma oportunidade a este jogo imperfeito mas divertido e excêntrico.

Numa entrevista à Game Informer, Kensuke Tanabe, o produtor do jogo, afirmou que manteve os sistemas de Sticker Star em Color Splash porque sentiu que estes ainda não tinham chegado ao máximo do seu potencial, e reconheço que nisto ele tem razão. Um estilo de jogo que, em 2012, se apresentava vazio e irredimível, conseguiu 4 anos depois provar o seu valor. Por isso, em resposta à pergunta que levantamos ontem, se há algum valor em Sticker Star, este reside nas suas ideias, que tendo sido pessimamente executadas no jogo da 3DS, viriam a constituir a base daquilo que é uma direção aceitável para os futuros jogos da franquia, mesmo não sendo a que mais desejávamos.


Color Splash - A mesma tela, um pouco mais de cor Color Splash - A mesma tela, um pouco mais de cor Reviewed by Tiago Sá on julho 24, 2020 Rating: 5

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.